Hey pequeno gafanhoto, uma das coisas que eu mais gosto são histórias que ensinam mensagens de vida. Digo até que boa parte do que sou hoje, a minha personalidade se deve a essa histórias que eu lia muito quando era mais novo, e que me ajudaram a definir meus valores. E entre todas elas, uma das que eu mais gosto é sem dúvida a da xícara de chá:

14192129_329401664060421_7931762221673622369_n

“Certa vez, Nan-in, um mestre zen japonês que viveu na era Meiji (1868-1912). recebeu a visita de um professor universitário. Ele estava intrigado com a influência que esse mestre exercia nos jovens e da forma como era admirado por sua sabedoria, sensatez, prudência e simplicidade.

Este professor queria saber mais sobre o Zen Budismo e já havia lido muitos livros a respeito. Durante a conversa o professor mais falava do que ouvia. Contava sobre suas leituras, sobre suas aulas, e o que acreditava ser o Zen. E mesmo quando Nan-in falava, o professor rapidamente o interrompia.

Em um determinado momento o mestre ofereceu-lhe um chá e o serviu com toda calma desse mundo. E mesmo após a xícara estar cheia, o mestre continuou derramando o chá sobre a xícara.

O professor não se conteve: “Por acaso, não percebeu que a xícara está completamente cheia e que já não cabe mais nenhuma gota?”

O mestre então, parou de derramar o chá sobre a xícara e disse calmamente: “Assim como esta xícara, o senhor está cheio de opiniões e conceitos pré-estabelecidos. Desta forma, como poderia entrar um novo ensinamento? Como poderei dar-lhe novas ideias e perspectivas, se você não tem espaço pra elas?”

Em seguida, o mestre fez uma pausa por um breve momento e disse-lhe com olhar compreensivo, porém firme: “Se você realmente busca ter conhecimento constante, então tem que esvaziar sempre a sua xícara”. 

O professor olhou o mestre, perplexo, e só então percebeu a veracidade que havia naquelas sábias palavras.”

 

Embora pareça simples essa história tem uma profundidade muito grande, sua moral pode ser aplicada tanto ao mundo externo quanto interno.

Quantas coisas acumulamos na nossa vida, coisas que enchem nossos armários, nossos guarda roupas, e mesmo com estes abarrotados ainda compramos mais coisas que nunca usaremos? E quantas opiniões, “certezas” e preconceitos acumulamos durante nossa jornada?

A verdade é que precisamos esvaziar nossas xícaras constantemente para dar espaço para as novas coisas, novas experiências, e principalmente novas oportunidades. Estamos nesse mundo para viver em harmonia, e precisamos nos lembrar de que morreremos um dia. Então, esvaziar as nossas xícaras é um requisito fundamental para vivermos em paz conosco mesmo e com os outros.

Eu tenho encarado esse desafio, e confesso que tem sido maravilhoso. E você, já esvaziou sua xícara hoje?

 

Se você gostou dessa história, compartilhe esse artigo e ajude a esvaziar as xícaras dos seus amigos ; )

Comments

comments